Tumultos de extrema esquerda em Milão (2)

La sede di An in corso Buenos Aires 8, è stata devastata dalle fiamme dell'incendio provocato da una bottiglia incendiaria lanciata contro gli uffici durante le violenze avvenute questa mattina.
Su di un muro dello stabile è stata lasciata una scritta in vernice verde: 'nessun rispetto per i fasci'. Poi qualcuno ha posizionato un vessillo tricolore all'entrata completamente distrutta della sede di An.

Tumultos de extrema esquerda em Milão

Anti-globalization protesters clashed with police in Italy's financial center on Saturday, underlining political tension ahead of April's elections.

Up to 300 left-wing protesters, many wearing balaclavas and wielding crowbars, set fire to cars and a building on one of Milan's busiest shopping streets when police tried to break up their protest against a fascist pre-election rally.

Angry shopkeepers and residents cornered a few of the protesters and punched and kicked them, before police managed to drag them off. A nail bomb injured nine police officers and at least 45 protesters were detained, police said.

"They turned a quiet Saturday into a war zone," Milan council official Riccardo Dicorato told Reuters while police rounded up dozens of demonstrators and firemen hosed down burning cars and motor scooters.

Intifada na Sorbonne

A student prepares to throw a stone at riot police in Paris Saturday, March 11, 2006.

Vândalos da Sorbonne atacam McDonald's

McDonald's workers survey the damage at the fast-food restaurant in Paris on Saturday March 11, 2006. LCI television reported that scores of students who fled the Sorbonne broke windows of a fast-food restaurant

Termina ocupação da Sorbonne em defesa do desemprego

A polícia anti-motim francesa expulsou esta madrugada várias centenas de estudantes que ocuparam a universidade parisiense Sorbonne em protesto contra a aprovação da nova lei sobre o primeiro contrato de trabalho.

Em menos de dez minutos, a polícia obrigou as quatro centenas de estudantes a abandonar as instalações da universidade, recorrendo por vezes ao gás lacrimogéneo, segundo o relato de um jornalista da AFP.


Os incidentes, que começaram ontem, fizeram 31 feridos, entre os quais 11 polícias. As autoridades efectuaram 11 detenções antes de os manifestantes terem dispersado, por volta das 05h00 locais (04h00 em Lisboa).

Os estudantes tinham tentado evitar a acção polícia anti-motim formando cadeias humanas e gritando palavras de ordem como "resistência pacífica" e "polícia nacional, milícia do capital".

A entrada das forças policiais na universidade provocou cenas de pânico, com alguns estudantes a tentar impedir a carga policial atirando cadeiras e mesas contra os polícias.

O fim do Sinédrio

Novidades do regime Zapaterista

El presidente dedicó sus primeras palabras en un acto por el Día de la Mujer Trabajadora a citar a la escritora Virginia Wolf: "Como mujer no tengo patria, como mujer mi patria es el mundo". "He pensado muchas veces en el alcance de estas palabras tan solidarias, que en muchas ocasiones me han servido de estímulo", confesó. No obstante, Zapatero utilizó hace dos días otro concepto de "patria" para promocionar la ley de paridad. Citando al autor leonés Antonio Gamoneda dijo: "Una patria es un país con Justicia, y la Justicia es la igualdad y la solidaridad". Curiosamente, en octubre Zapatero tenía otra definición: "Para mí, la patria es la libertad".

O anti-semitismo e a estranha morte do Ocidente

In five years' time, how many Jews will be living in France? Two years ago, a 23-year-old Paris disc jockey called Sebastien Selam was heading off to work from his parents' apartment when he was jumped in the parking garage by his Muslim neighbor Adel. Selam's throat was slit twice, to the point of near-decapitation; his face was ripped off with a fork; and his eyes were gouged out. Adel climbed the stairs of the apartment house dripping blood and yelling, "I have killed my Jew. I will go to heaven."

Is that an gripping story? You'd think so. Particularly when, in the same city, on the same night, a Jewish woman was brutally murdered in the presence of her daughter by another Muslim. You've got the making of a mini-trend there, and the media love trends.

Yet no major French newspaper carried the story.

This month, there was another murder. Ilan Halimi, also 23, also Jewish, was found by a railway track outside Paris with burns and knife wounds all over his body. He died en route to the hospital, having been held prisoner, hooded and naked, and brutally tortured for almost three weeks by a gang that had demanded half a million dollars from his family. Can you take a wild guess at the particular identity of the gang? During the ransom phone calls, his uncle reported that they were made to listen to Ilan's screams as he was being burned while his torturers read out verses from the Quran.


Even in the most civilized societies, there are depraved monsters who do terrible things. When they do, they rip apart entire families, like the Halimis and Selams. But what inflicts the real lasting damage on society as a whole is the silence and evasions of the state and the media and the broader culture.

A lot of folks are, to put it at its mildest, indifferent to Jews. In 2003, a survey by the European Commission found that 59 percent of Europeans regard Israel as the "greatest menace to world peace." Only 59 percent? What the hell's wrong with the rest of 'em? Well, don't worry: In Germany, it was 65 percent; Austria, 69 percent; the Netherlands, 74 percent. Since then, Iran has sportingly offered to solve the problem of the Israeli threat to world peace by wiping the Zionist Entity off the face of the map. But what a tragedy that those peace-loving Iranians have been provoked into launching nuclear armageddon by those pushy Jews. As Paul Oestreicher, Anglican chaplain of the University of Sussex, wrote in the Guardian the other day, "I cannot listen calmly when an Iranian president talks of wiping out Israel. Jewish fears go deep. They are not irrational. But I cannot listen calmly either when a great many citizens of Israel think and speak of Palestinians in the way a great many Germans thought and spoke about Jews when I was one of them and had to flee."


Something very remarkable is happening around the globe and, if you want the short version, a Muslim demonstrator in Toronto the other day put it very well:

''We won't stop the protests until the world obeys Islamic law.''

Stated that baldly it sounds ridiculous. But, simply as a matter of fact, every year more and more of the world lives under Islamic law: Pakistan adopted Islamic law in 1977, Iran in 1979, Sudan in 1984. Four decades ago, Nigeria lived under English common law; now, half of it's in the grip of sharia, and the other half's feeling the squeeze, as the death toll from the cartoon jihad indicates. But just as telling is how swiftly the developed world has internalized an essentially Islamic perspective. In their pitiful coverage of the low-level intifada that's been going on in France for five years, the European press has been barely any less loopy than the Middle Eastern media.


Now in the cartoon jihad and other episodes, the restraints of Islamic law are being extended piecemeal to the advanced world, by intimidation and violence but also by the usual cooing promotion of a spurious multicultural "respect" by Bill Clinton, the United Church of Canada, European foreign ministers, etc.

Governo "cria" postos de trabalho

Presidência do Chile

Sobre a direita brasileira

Ecce Homo

Nothing on earth consumes a man more quickly than the passion of resentment.
- Friedrich Nietzsche

Spes, Fides, Caritas


Licenciosidade Ignorante 103

Passar à História

Dos fracos não reza a História.

Do filme Serenity, Capt. Malcolm Reynolds:
Half of writing history is hiding the truth.

O fim do Espectro

A Vasta Conspiração Portista (2)

Sobre o estatismo de Paulo Portas

A Vasta Conspiração Portista

O segundo problema é que Portas, que é apoiado por um grupo que se proclama do liberalismo radical, foi um ministro estatista e proteccionista, anti-liberal como poucos na governação e como ainda há dias o revelou de novo nos seus comentários nos estaleiros de Viana do Castelo.

Não sei a que grupo se refere JPP. Nunca vi nenhum apoiante de Paulo Portas proclamar-se adepto do "liberalismo radical". Já assisti, isso sim, a críticas de vários apoiantes de Portas dirigidas a liberais por eles considerados "radicais" ou "irrealistas". Se o Acidental é adepto do "liberalismo radical", então francamente não sei como classificar o Blasfémias ou o Insurgente.

A inimizade de JPP para com Paulo Portas é matéria que só lhe diz respeito a ele (e, embora estranhe a obsessão, até admito que tenha as suas razões), mas já me parece reprovável que para atacar Portas misture tudo atirando lama para todos os lados. Aliás, cada vez me convenço mais que estas guerrinhas pessoais à direita (quase sempre assentes em episódios passados) só servem para gerar confusão e desviar a atenção do essencial.

Freitas do Amaral strikes again

Gale Norton de saída

Norton, a former Colorado attorney general who guided the Bush administration's initiative to open Western government lands to more oil and gas drilling, planned to announce her decision Friday, a senior government official and another source familiar with her decision told the AP.

Estratégia negocial de Zapatero continua a produzir resultados

[Private] street racing

A sentença dos três jovens acusados de envolvimento numa corrida ilegal ("street racing") de automóveis modificados ("tuning") que resultou na morte de três pessoas, em 26 de Setembro de 2004, deverá ser lida hoje no Tribunal de Setúbal.

O principal arguido, Neutel Mendes, é acusado de três crimes de homicídio voluntário, dois de ofensas à integridade física simples, um de condução perigosa e um de condução sem habilitação própria.


Neutel Mendes, que não tem carta de condução, perdeu o controlo da viatura que lhe tinha sido emprestada por Carlos Fonseca para participar numa corrida com Marcos Juvenal na chamada "recta do picanço", junto às portagens de Coina, no concelho de Palmela.
Relembro alguns factos deste acontecimento:
  1. A "recta do picanço" é uma estrada particular;

  2. Segundo o nº 2 do artigo 2º do Código da Estrada (pdf), as regras deste são também aplicáveis "nas vias do domínio privado, quando abertas ao trânsito público";

  3. A imprensa nunca esclareceu se a referida estrada particular estava aberta ao trânsito público;

  4. Se a "recta do picanço" era vedada ao público, regras de trânsito como excesso de velocidade, condução perigosa ou falta de habilitação própria não se aplicam;

  5. As vítimas do acidente não eram normais transeuntes mas, sim, voluntários espectadores de uma corrida ilegal;

  6. Todos os participantes (condutores e espectadores) sabiam tratar-se de uma corrida ilegal;

  7. Dado a ilegalidade do evento, todos os participantes tinham noção da inexistência de quaisquer procedimentos de segurança;

  8. Tendo em conta que todos participaram de forma voluntária, quaisquer medidas de segurança teriam de ser definidas exclusivamente por cada indivíduo;

  9. Foram os espectadores (não os condutores) a escolher o melhor local para assistir à corrida;

  10. Os réus não são acusados de organização e participação de evento desportivo ilegal...

O golpe do “Debate”

5) O golpe do “Debate”- Ah, a mania do “debate”. Não basta a alguém escrever um texto brilhante – na Internet, ele tem que “debater” cada ponto de vista, sob o risco de ser considerado um idiota que não sabe o que diz. Não basta que o regime de governo seja democrático; é preciso que os sites sejam democráticos, com textos democráticos e comentários democráticos, em que leitores democráticos interpelam democraticamente as boutades do escritor democrático até levá-lo a um democrático suicídio. É como se Ibsen tivesse escrito as suas peças apenas para “debater” com qualquer badameco que se sentasse na sua mesa de café em Cristiânia. Ou Oscar Wilde tendo que “debater” seus ensaios com um estudante de sociologia de Goiás. “Não fuja, não fuja! Você não terminou de explicar como fica aquela sua frase sobre a classe média à luz dos conceitos de Durkheim!”

Deslocalizar informação

O Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa decidiu suspender a diligência de revista aos computadores apreendidos na redacção do jornal "24 horas" e na casa do jornalista free-lancer Jorge Van Krieken, prevista para a próxima segunda-feira. O juiz Alfredo Costa tomou esta decisão atendendo a um recurso para o Tribunal da Relação de Lisboa apresentado pelo advogado do jornal, Barros de Figueiredo.


O advogado fez um primeiro requerimento para impedir a diligência, mas o juiz deu resposta negativa, alegando que o interesse da investigação criminal, num caso de acesso indevido a dados pessoais, é preponderante relativamente à preservação do sigilo profissional.

O "24 horas" contesta esta argumentação junto da Relação, recordando que a liberdade de imprensa, que tem inerente o sigilo profissional, é de valor superior e que o crime em causa, punível no máximo com até dois anos de prisão, não é considerado grave.
Ora, o acesso a informação privilegiada está, deste modo, dependente de decisão do Tribunal da Relação. Contudo, mesmo que os juízes decidam a favor do jornal, a capacidade da imprensa proteger futuras fontes já foi desacreditada.

Com vista a reestabelecer a confiança das suas fontes, os órgãos de comunicação social necessitam de tomar medidas que previnam semelhantes ataques à liberdade de imprensa. Encriptar os dados é uma opção. Outra alternativa passa por deslocalizar toda a informação relevante para servidores de países com maior respeito pela liberdade de expressão.

Sem quotas: Ellen Johnson-Sirleaf

Sem quotas: Michelle Bachelet


Chamada à realidade

The New Protectionists

What's especially dangerous here is that we're seeing the re-emergence of the "national security" protectionists. They were last seen in the late 1980s, when Japan in particular was the target of a political foreign-investment panic. The Japanese were buying Pebble Beach and Rockefeller Center, and so America was soon going to be a colony of Tokyo. A Japanese bid for Fairchild Semiconductor of Silicon Valley was seen as a threat to American defense. Those fears seem laughable now. But here we go again, with new targets of anxiety.###


In recent weeks Members of Congress have suggested that the foreign-ownership ban should apply to: roads, telecommunications, airlines, broadcasting, shipping, technology firms, water facilities, buildings, real estate, and even U.S. Treasury securities. If this keeps up, we'll soon arrive at France, where even food and music are "protected" from foreign influences as a matter of national survival.


Another term for this foreign investment is "insourcing." Foreign capital creates wealth and jobs here, rather than in India, China or Japan. Thanks to net foreign investment, about one-in-twelve American manufacturing workers are now employed by a foreign-owned firm. Toyota recently invested $800 million in a new plant in San Antonio that will employ 2,000 workers.


More broadly, U.S. economic and defense security are intertwined. Imagine the threat to American well being if investment capital were trying to flee the U.S. because it believed opportunities were better elsewhere. Meanwhile, the interdependence that comes with foreign investment also gives those investors a stake in both American success and security. Are the Gulf emirates more, or less, reliable as U.S. allies because they invest their petrodollars in American assets? We'd say more. And, of course, foreigners who invest in the U.S. also help finance the military that keeps us safe.

The Dubai episode has been a debacle of the first order, and while the Beltway is toting up winners and losers, the rest of the world is shaking its head and wondering what's going on. The world's largest economy and its ostensible political leader seems to be sneering at the very foreign investment that has been crucial to its prosperity. Let's hope it was a momentary hallucination, and not the start of a larger protectionist binge.


Fundação e Imperio

Que cientista se lembraria de ir citar trechos de discursos proferidos por Einstein ha' setenta anos, Crick ha' cinquenta anos?

Não faço ideia. Pode ser por ignorância, inteligência, destreza ou porque realmente acham que isso agora não interessa nada. Sei que Hari Seldon, tambem não o fazia, mas aparecia sempre nas crises a dar a receita para as resolver bem resolvidinhas. E tudo porque foi bom aluno a matematica na primaria. Um Seldon Rei Matematico é o sonho dos medrosos, não é?

Estamos sempre a aprender...

Adivinhem quem paga?

A Air Luxor revelou esta quinta-feira que o Supremo Tribunal Administrativo deu razão à transportadora aérea no diferendo que esta mantém com o Estado português quanto ao afastamento da companhia do concurso para operar a rota dos Açores. A Air Luxor vai agora pedir uma indemnização de 105 milhões de euros(...)O diferendo data de 2001, quando o Ministério do Equipamento Social indeferiu a proposta apresentada pela Air Luxor para a operação da rota Lisboa/Porto-Ponta Delgada

Quem foi beneficiado não terá agora de se preocupar com os €105.000.000. Os agentes do estado, aqueles que na altura assumiam o papel de planear e cuidar da economia para que nenhum tumulto a perturbasse no seu inexorável percurso (ou neste caso, vôo), não terão de se preocupar com os €105.000.000. Os actuais governantes irão dizer que se trata de mais um exemplo da má gestão anterior.
Os contribuintes, todos nós, irão ter de compensar esta empresa por o estado ter criado barreiras à entrada neste mercado. Neste caso, o sistema judicial, considerou que os decisores representando o estado foram ainda mais longe ao infringir a lei na tentativa de controlarem a economia. Se continuarmos a ter governantes que pensam poder tratar a economia como um processo em que, dominando as regras e adivinhando o que se passará num determinado mercado, são omniscientes no seu planeamento e atingirão sempre os objectivos programados, mais casos deste tipo acontecerão.

É pena que não possamos trocar de presidente...

Afogar o mal em abundância de bem

Como membros da sociedade civil, os cristãos devem defender os seus direitos cívicos – que também são direitos das outras pessoas – com todos os meios lícitos ao seu alcance, sem agressividade, mas sem cedências ou compromissos no que se refere aos bem comum dos indivíduos e das nações. Agora, quando em muitos sítios se faz gala de um laicismo militante, é especialmente importante que aqueles que reconhecem a lei moral natural se unam em defesa e promoção desses valores, independentemente das crenças de cada um.

Leitura recomendada (III)

O desejo de entrar naquele que terá sido o mais absurdo dos dois conflitos mundiais [a Iª Guerra Mundial] foi sempre português desde o início, em particular da facção dominante do regime da I República. Este desejo teve origem no carácter fundamentalmente radical e não consensual do regime. É preciso perceber que a I República não foi a mera substituição do Rei pelo Presidente (que, aliás, poucos poderes tinha). Foi a passagem para um regime que tentou aplicar um programa de transformação radical (se necessário, violenta) da nossa sociedade de então. Por isso, a República nunca representou uma solução política estável e com a qual a maioria do povo (ou talvez fosse melhor dizer da opinião pública) português(a) soubesse conviver. Desde o início capturado por uma clique que entrou em conflito com o País, o regime foi um notável catálogo de arbitrariedades e violência. A tradicional conversa sobre a "longa noite fascista" do salazarismo parece pressupor que ela interrompeu um "longo e radioso dia democrático". A verdade é que a I República conseguiu o feito de juntar (sob uma aparência, estritamente formal, demo-liberal) o pior do autoritarismo formalizado, como as prisões e as deportações (tão vastas como durante o salazarismo), a proibição de partidos, a fraude eleitoral ou as limitações à liberdade de expressão, com o terror da violência informal, às mãos dos famosos Batalhões de Voluntários ou da Formiga Branca, mais próprio dos regimes totalitários.

Presidente Cavaco Silva

Presidente Cavaco Silva
(este post visa ajudar os esquerdistas mais radicais a aceitar a realidade)

Boas maneiras democráticas


(...)a bancada do Bloco não aplaudiu o discurso do novo Presidente e também não compareceu no Salão Nobre da Assembleia da República para a sessão de cumprimentos ao novo chefe de Estado.


Mário Soares e a sua mulher, Maria de Jesus Barroso, dirigiram-se da galeria de honra para a porta principal de saída do Parlamento, sem passar pelo Salão Nobre onde decorria a sessão de cumprimentos ao novo Presidente da República.

Como se irá comportar Soares na próxima reunião do Conselho de Estado (se por lá aparecer...)? Será que Francisco Louçã e restantes bloquistas consideram o desrespeito pelas boas maneiras e pelo P.R. uma causa fracturante?

Mais Ann Coulter sobre os Oscars

Despite all their Bolshevik bluster about how Democratic politicians won't stand up to Republicans, the Hollywood left is as scared of decent patriotic Americans as the Democrats are.

"Brokeback Mountain" did not win best picture, "Munich" won nothing, and the Palestinian suicide bombers movie won nothing. There was no angry self-righteousness from Vanessa Redgrave against "Zionist hooligans," or from Tim Robbins and Susan Sarandon for the Haitian boat people. There was no Bush-bashing. There was no Michael Moore. The host was not Whoopi Goldberg, so that's a big fat reward to every man, woman and child in America right there.


Jon Stewart, this year's host, was very funny — but not quite as funny as the fact that the audience didn't get the jokes.


Even on AIDS — which is something you'd expect people like Clooney to know something about — Hollywood was about seven years behind. Wait, no — bad choice of words. Even on AIDS, Hollywood got caught with its pants down. Still no good. On AIDS, Hollywood got it right in the end. Oh, dear ... Note to self: Must hire two more interns to screen hate mail.


Contrary to Clooney's impassioned speech, no theaters ever forced black people to sit in the back. If you were trying to oppress people, you would make them sit in the front, which are the worst seats in the house. Or you'd just make them watch a George Clooney movie.

Leitura recomendada (II)

Social: uma palavra "doninha"

Propriedade (desocupada) é roubo (3)

O homem que era quinta-feira

Leitura recomendada

As grandes utopias, de Campanella a Thomas More, de Calvino a Lenine, de Hitler a Pol Pot, tiveram desejos semelhantes. Na república de Calvino puniam quem faltasse às orações e noutras matavam quem atalhasse pela licenciosidade. É um mundo ideal e perfeito. Pessoalmente, não quero viver nele.

Deus quere, o homem sonha, a obra nasce

Hayek deseja-vos boa noite

O eterno Procrustes

(...) this sort of non-argument, this bland assumption that the ideal of equality needs no justification, is endemic among egalitarians.
- Murray N. Rothbard

Ainda que mal pergunte, por que é que a paridade entre os sexos é "um objectivo correcto"?

(citação dedicada ao CN, incansável divulgador do rothbardianismo entre nós)


Em dia grande para o Benfica...

...abro uma excepção e reproduzo um wallpaper para os infiéis benfiquistas, recebido por email:

(clique para aumentar)

(imagem enviada, em jeito de provocação amigável e desafio, pelo leitor Jorge Bento)

Lula: um presidente extraordinário...

El presidente brasileño, Luiz Inácio Lula da Silva, ha afirmado que se siente "ofendido" con las críticas que el futbolista Ronaldo ha recibido en el Real Madrid y dijo que le ha enviado una carta de apoyo ante el difícil momento que atraviesa.

"Ronaldo representa mucho para la juventud brasileña, representa mucho para el fútbol brasileño y en parte le debemos la buena imagen que Brasil tiene en el mundo", declaró Lula en una emisión de su programa de radio 'Café con el presidente', emitida desde Londres, donde está en visita de Estado.

Según Lula, Ronaldo "es un chico que tiene la cabeza en su lugar, que ha ganado tres veces el título de mejor jugador del mundo" y "merece un reconocimiento por lo que ha hecho en el Real Madrid, en el Barcelona, en Holanda, en Italia, y sobre todo por lo que ha hecho por Brasil".

El presidente dijo que "uno de estos días, viendo un partido del Real Madrid, vimos a la hinchada abuchear a Ronaldo" y confesó que "como brasileño" se sintió "ofendido".
(agradeço ao leitor Rui Carmo o link)

Invocação segunda

Money is a living power that dies without its root. Money will not serve the mind that cannot match it.
Ayn Rand - Atlas Shrugged.

Desculpai a insistência, mas ide, ide ler.

Ha muito que não a invocava

Let me give you a tip on a clue to men's characters: the man who damns
money has obtained it dishonorably; the man who respects it has earned it.
Ayn Rand - Atlas Shrugged

"The Money Speech" de Francisco D'Anconia em Atlas Shrugged. Aqui. Lede, incréus, e arrependei-vos!

A proposito do lucro.

I’ll fly tonight

We’re the salt of the earth!
We know our place!

Estandarte orgulhoso de uma cidade de império, à entrada do estádio o emblema e uma certeza forjada num laborioso emaranhado de ferro negro e dourado: you will never walk alone; símbolo de uma união duradoura, afirmação de pertença, de esperança.

A frase recebe quem chega, o hino acompanha quem parte. Sempre com dignidade, na vitória e na derrota. Liverpool é uma cidade de Homens.

Alergias bloquistas

Laicismo bloquista

Sem quotas: Condoleezza Rice

Sem quotas: Margaret Thatcher


Há pouco mais de um ano atrás, enquanto fazia campanha pelas ruas de Setúbal, como cabeça de lista do PS, o agora deputado e comentador na RTP, António Vitorino, dizia que eram reduzidas as hipóteses de, com um governo socialista, se proceder à co-incineração de resíduos industriais perigosos na cimenteira da SECIL da Arrábida. Como argumentos apresentava a requalificação ambiental da Serra e o desinteresse manifestado pela empresa na queima destes resíduos.
Ao acompanhar José Sócrates pelas ruas da cidade, o candidato sabia perfeitamente o custo em número de votos se anunciasse que o ex-ministro do ambiente acalentava a reanimação do seu "pet project".
A ser verdade que o processo vai agora avançar nas cimenteiras de Coimbra e de Setúbal, o deputado deveria, no mínimo, tornar pública a sua posição e em caso de concordância com esta solução, deveria explicar a razão de tal mudança de opinião, tendo em conta que nenhuma evolução tecnológica nos últimos meses a tornou melhor escolha.
Outra parte da questão é a disponibilidade da cimenteira. Até que ponto a dependência do beneplácito governamental para exercer a sua actividade fabril no local onde está implantada a torna sensível às mudanças de governantes e dos seus humores. É que há um ano atrás, um outro ministro do ambiente, mostrava-se satisfeito com a decisão da empresa, reforçando assim os seus planos para resolver o problema de outra maneira.
Será este mais um exemplo da (má) influência que os políticos têm na actividade económica, fazendo depender esta da sua própria agenda ou desse desejo, quase sempre perigoso, de deixarem obra feita?

Contra a prepotência da Ordem dos Arquitectos

Dia Internacional da Mulher (VIII)

Dia Internacional da Mulher (VII)

Alguém que por razões profissionais se deslocou à Comissão Para a Igualdade no Trabalho e no Emprego deparou com um magnífico exemplo de paridade. Só lá viu mulheres a trabalhar...
No Tomarpartido, via Elba Everywhere.

Dia Internacional da Mulher (VI)

O presidente do CDS-PP, José Ribeiro e Castro, manifestou, em declarações à Agência Lusa, dúvidas sobre a constitucionalidade da introdução de quotas nas listas eleitorais, considerando esta medida «o caminho errado para atingir um objectivo correcto».

«As quotas podem suscitar problemas de constitucionalidade uma vez que introduzem um sistema de discriminação em razão do sexo, além de que condicionam a liberdade de decisão dos partidos na composição das listas», afirmou Ribeiro e Castro.

O líder do CDS manifestou a sua discordância em relação à medida, considerando que pode ser entendida por muitas mulheres como «um mecanismo de desqualificação».

(in PortugalDiário)

Dia Internacional da Mulher (V)

Quando um indivíduo é julgado de acordo com as características esteriotipadas do seu grupo, e não de acordo com as suas características individuais, o risco de se cometer uma injustiça é elevado. É por isso extraordinário que o feminismo, que inicialmente defendia que cada mulher deve ser tratada de acordo com os seus mérito próprios, venha agora, ao propor quotas, defender que homens e mulheres devem ser julgados de acordo com as características esteriotipadas do grupo a que pertencem.
Do blasfemo João Miranda.

Adenda: sugere-se, também, a leitura das blasfémias do jcd que questiona sobre inconstitucionalidade da implementação de quotas nas listas eleitorais.

Dia Internacional da Mulher (IV)

As mulheres portuguesas são mães aos 27 anos, têm em média 1,4 filhos, vivem até aos 81,4 anos e representam quase 60% dos idosos em Portugal, segundo um retrato traçado ontem pela Eurostat. Sem fugir da média comunitária, na maioria dos factores estudados, o sexo feminino em Portugal destaca-se, no entanto, pela negativa no que respeita às habilitações literárias, com apenas 56,6% das jovens, entre os 20 e os 24 anos a completarem o ensino secundário, em 2005, o que confirma o já conhecido nível elevado de abandono escolar no país.
O artigo não refere a taxa de abandono escolar do sexo masculino...

Dia Internacional da Mulher (III)

A Marinha vai ter, pela primeira vez na sua história, a partir de hoje, uma mulher a comandar um navio. O convite à segundo-tenente Gisela Catarina Vaz Antunes será feito simbolicamente neste Dia Internacional da Mulher, pelo Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante Melo Gomes. O objectivo é transformar "este dia simbólico numa homenagem da Marinha às mulheres portuguesas em geral e a esta oficial em particular", diz um comunicado da marinha.
[Jornal de Notícias]

Dia Internacional da Mulher (II)

O Bloco de Esquerda quer que a paridade de género seja uma realidade, não só nos cargos políticos de eleição, mas também no Governo, nos cargos de nomeação pública e em todos os organismos que dependam do Executivo. O desafio vai direito para José Sócrates, como ontem deixou claro a bloquista Helena Pinto: "É preciso que o Governo e os organismos públicos dêem o exemplo. Se não o fizerem ficamos na metade do caminho." "Cumpra!", exortou a deputada, dirigindo-se ao primeiro-ministro.


Hoje, será a vez de o PS avançar com uma proposta no mesmo sentido - com aprovação garantida, dado que esta alteração nas leis eleitorais não obriga a uma maioria de dois terços. A intenção dos socialistas é muito próxima da do BE, mas deverá incluir um cenário que o BE rejeita: a previsão de medidas de paridade para os círculos uninominais.
Pergunta à deputada bloquista Helena Pinto: foi eleita para a Assembleia da República por mérito próprio ou por aplicação de quota de paridade de género?

Núcleo de assessores políticos de Cavaco Silva

O Presidente da República eleito, Cavaco Silva, já tem oito novos elementos na sua equipa, na qual figuram o cardiologista de Coimbra Manuel Antunes, consultor para a área da saúde, e João Carlos Espada, professor da Universidade Católica e colunista no "Expresso", que será consultor de assuntos políticos.

PT continua a perder quota de mercado

No último trimestre de 2005 «manteve-se a tendência de queda das quotas do grupo Portugal Telecom no tráfego total», segundo a Anacom. No total do ano a «fatia» da PT no tráfego de voz no serviço fixo passou dos 78,1% de 2004 para os 74,1% no ano passado.


Quem aproveitou estas quebras foram os novos prestadores de serviços, que, segundo as estatísticas da Anacom hoje reveladas, «registaram um aumento significativo do número de clientes de acesso directo (19,1%)».

Pontos de Fuga

O actual Serviço Nacional de Saúde (SNS) nas exclusivas ou determinantes mãos do Estado baseia-se no texto constitucional, como é evidente. Mas o texto constitucional assenta essencialmente em 5 premissas, que me parecem desprovidas de grande utilidade para os tempos que correm e para o objectivo de tornar o acesso de cada um à saúde mais fácil, mais eficiente e, sobretudo, mais útil. De nada vale um SNS construído nas melhores intenções se nada de útil os utentes dele puderem tirar. Gostaria de brevemente partilhar convosco o que penso sobre cada uma delas.

1) Só um SNS de forte ou total pendor estatal garante um acesso universal
Não é preciso muito para desmentir esta premissa. Basta olhar em volta e logo nos escancaramos com a triste realidade: milhares de pessoas esperam semanas e meses (anos?) para um consulta, uma operação, um diagnóstico, algumas delas morrendo entretanto, ou desesperando ao frio e à chuva, noite dentro, às portas do centro de saúde para ser o primeiro a chegar. Isto é tudo menos um sistema universal, porque para o ser teria de permitir o acesso de todos, a tempo útil e com o menor dispêndio de esforços do utente possível.

2) O SNS, porque não está vocacionado para o lucro, presta cuidados a todos e não privilegia os ricos
Importa também começar por olhar para actual sistema. Se há sistema que desfavorece os mais pobres e que mais precisam é, precisamente, este. Porque são os mais pobres que não têm conhecimentos para conseguirem as cunhas necessárias para furar as ineficiências do sistema, são eles que não têm dinheiro para aderir aos esquemas de saúde privados ou para aceder a meios privados de prestação de cuidados de saúde, muito menos podendo aceder aos serviços públicos ou privados que existem na União Europeia. Por outro lado, a asserção de que com um SNS nas mãos dos privados só os ricos teriam possibilidade de aceder ao sistema é desmentida pelas centenas de actividades totalmente privatizadas e que oferecem produtos de acesso geral e universal, consumidos por todos, muitos deles com elevadas exigências de qualidade.
3) O SNS, também porque não está vocacionado para o lucro, preocupa-se muito mais com a qualidade dos serviços
É absolutamente ilógico que um sistema fechado, protegendo quem está e impedindo quem chega, totalmente dominado por um único agente que põe e dispõe sem consequências que não o aumento do défice possa ser um sistema dinâmico, aberto à inovação e ao constante aperfeiçoamento. Um sistema que impede ou inviabiliza a entrada de novos prestadores abre-se, isso sim, ao imobilismo, do parasitismo e à estagnação. Um sistema que não assente na liberdade de escolha do utente, em que a oferta não necessita de seduzir a procura, nem de aperfeiçoar a qualidade para a garantir, não pode senão favorecer o laxismo, a má e irresponsável gestão e a indiferença. Um sistema sem competição e sem liberdade de escolha, ou seja, um sistema sem desenvolvimento de um mercado, expulsa o utente do papel de actor chave dos fenómenos sociais e todo o sistema passa a ser gizado para a manutenção do estado de coisas e para a satisfação das necessidades individuais do sistema.

4) O SNS é gratuito
O SNS não é gratuito e alimenta-se dos impostos de todos, mesmo dos que não recorrem aos seus serviços. E a voracidade fiscal demonstra, antes pelo contrário, que o SNS, como outros, é caro e mal gerido. Um sistema não assente na contratualização entre financiadores e prestadores de serviços como instrumento de definição de funções, de atribuição de responsabilidades e partilha de riscos degenera rapidamente num sistema irresponsável, que não presta contas a ninguém, que se enreda em burocracias e não se obriga a resultados. Por outro lado, a intervenção estadual na fixação de preços na área da saúde, endivida o estado, torna-o refém de poderosos grupos de interesse e obriga os produtores a reduzir a qualidade para economizar nos custos.

Não sendo gratuito, o SNS é supostamente alimentado pelos nossos impostos, cada vez mais altos e mais vorazes, restringindo liberdade económica e de escolha dos utentes. Mas dos nossos impostos qual é, verdadeiramente, a percentagem que se destina a prover condições de acesso e melhorias de prestação de serviços aos que mais precisam?

5) O SNS é o único que trata dos mais doentes e mais pobres porque são os mais dispendiosos
Este é o problema da selecção adversa, que existe e deve ser ponderado na redefinição do sistema. Mas é um problema para o qual existem soluções, há muito estudadas. Se há coisa para a qual o Estado tem função é precisamente para a criação de um sistema de contratualizações, de incentivos e de mecanismos que se destine precisamente a partilhar os riscos da selecção adversa.

Urge combater a perda de soberania económica

Os cartoons de Maomé e a ameaça dos vetos de grupo

These days, the main threats to freedom of thought, freedom of speech and freedom of association no longer come from the totalitarian ideological superstate that inspired George Orwell to write his 1984. (First line, for the few readers who may not have caught the opening allusion: "It was a bright, cold day in April, and the clocks were striking thirteen.") That totalitarian horror still exists in places like Burma, but the distinctive feature of this new danger is the creeping tyranny of the group veto.

Here the animal rights campaign has something in common with the extremist reaction to the cartoons of the prophet Muhammad, as seen in the attacks on Danish embassies. In both cases, a particular group says: "We feel so strongly about this that we are going to do everything we can to stop it. We recognise no moral limits. The end justifies the means. Continue on this path and you must fear for your life." I don't claim that the two cases are strictly comparable. Human lives are saved by medicines developed as a result of tests on animals; no comparable good is achieved by the republication of cartoons of the prophet. But the mechanism of intimidation is very similar, including the fact that it works across frontiers and is therefore hard to tackle by national laws or law enforcement agencies.

If the intimidators succeed, then the lesson for any group that strongly believes in anything is: shout more loudly, be more extreme, threaten violence, and you will get your way. Frightened firms, newspapers or universities will cave in, as will softbellied democratic states, where politicians scrabble to keep the votes of diverse constituencies.


If someone says "the Nazis didn't kill so many Jews and had no plan for their systematic extermination", he is a distorter of history who deserves to be intellectually refuted and morally condemned, but not imprisoned. If, however, someone says "kill the Jews", or "kill the Muslims", or "kill the Americans", or "kill the animal experimenters", and points to particular groups of Jews, Muslims, Americans or animal experimenters, they should be met with the full rigour of the law. That's why, of all the recent high-profile cases where free speech has been at issue, that of the London-based hatepreacher Abu Hamza is the only one where I feel a criminal conviction was justified. Not because he was a Muslim rather than a Christian, a Jew or a secular European. No. Because he was guilty of incitement to murder. This is the line on which we must take our stand. Facing down intimidation, backed by the threat of violence, is the key to resisting the creeping tyranny of the group veto. Here there can be no compromise.

(via Esquerda Republicana)


Uma sociedade livre é uma sociedade livre e não pode perder

Eyal Zusman (30), actor and playwrite, and Amitai Sandy (29), graphic artist and publisher of Dimona Comix Publishing, from Tel-Aviv, Israel, have followed the unfolding of the “Muhammad cartoon-gate” events in amazement, until finally they came up with the right answer to all this insanity - and so they announced today the launch of a new anti-Semitic cartoons contest - this time drawn by Jews themselves!
Ai, os malvados dos israelitas! Ai, ai, ai, ai, ai. Licenciosos!

(via Johan Norberg)


O regresso de Paulo Portas (reposição)

Hollywood de causas em queda nos ratings

An estimated 38.8 million people watched the Academy Awards on ABC, down 8 percent from last year and the second-worst showing in nearly two decades, according to Nielsen Media Research.
(via It's a perfect day... Elise...)

Conduzir fora de mão

Os bloquistas, a agenda gay e as crianças

Já agora: será aceitável que Marques Mendes possa casar? Procriar? Adoptar? E as crianças, senhores, as crianças?!
A resposta é evidente: é aceitável desde que o Estado possa entregar as crianças a casais gays com provas dadas de progressismo para serem "educadas" de acordo com os ideiais bloquistas. O sistema estatal compulsivo de "educação", dominado pelo radicalismo de extrema esquerda, e a persistente passividade da maioria dos cidadãos perante esse deplorável cenário tratarão do resto.

Agenda gay

Apesar de objectivamente não ser capaz de diferenciar o Crash do Brokeback Mountain, não posso deixar de concordar com o Boss ali em baixo. Também a minha (assumida) agenda gay faria pender o meu voto para o Brokeback. Só me apercebi de quão flagrante era este meu bias, quando ouvi o Jack Nicholson a anunciar o último vencedor da noite. Foi um misto de surpresa e desilusão.

Hayek at the Oscars

O totalitarismo democrático e a actualidade de Mises

Quando se diz que o Estado democrático em que vivemos é geralmente totalitário, isso não encerra qualquer paradoxo ou contradição: não se afirma que ele exerça o poder de forma violenta e ilegítima (no sentido de falta de representatividade sufragada); mas que o faz em todas as dimensões da vida humana, na totalidade da vida social.


Afinal, Mises tinha razão: o intervencionismo quase extinguiu a propriedade privada nas sociedades onde se tem vindo a espraiar. Nas nossas sociedades. Verdadeiramente, não foi a terceira via que triunfou: vivemos em regimes estruturalmente socialistas onde os limites à propriedade privada são cada vez maiores e, se calhar, nem nos apercebemos disso.

Mais sobre as críticas a Correia de Campos

As críticas a Correia de Campos e o triste estado do PSD

O PSD criticou hoje o aumento das taxas moderadoras, já publicado em Diário da República, considerando que essa medida pode significar o "início da caminhada" para o financiamento do Serviço Nacional de Saúde pelos utentes.

Correia de Campos tem de resto sido o melhor elemento do actual executivo sendo tristemente sintomático que o PSD (e o desorientado e crescentemente irrelevante CDS) concentrem as suas críticas sobre ele.

Substituição do SNS

Os hospitais privados já reagiram ao anúncio do aumento das taxas de moderadoras nas urgências, lembrando que o melhor para a concorrência seria mesmo a substituição do Sistema Nacional de Saúde [SNS].

A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), que representa mais de 50 hospitais e clínicas privadas, afirma em comunicado oficial que «defende um sistema de saúde que assuma características de pluralidade de prestação, competitividade, eficiência e liberdade de escolha, da unidade de saúde e do médico. Só de um sistema com estes contornos, assente na liberdade de escolha geradora da concorrência, como acontece em vários países europeus, poderão resultar maiores benefícios para os cidadãos.»
De notar que a APHP não está a defender a liberalização do mercado de cuidados de saúde - tal implicaria, por exemplo, a livre entrada de concorrentes. Este comunicado defende apenas a inclusão dos seus associados num sistema estatal de saúde. Trata-se, portanto, de um bom começo. Mas ainda insuficiente.

Descoordenação no CDS-PP

«A nossa Constituição proíbe expressamente que, num sistema em que os serviços públicos de saúde são tendencialmente gratuitos, seja a população a pagar esse mesmo serviço» (...).
(in Diário Digital)

Dia Internacional da Mulher

Hostile to Whom? 'Economic Patriotism' To Resist 'Market Dictatorship'

It is of course the height of absurdity to term offers made by buyers to sellers as 'hostile' or 'friendly'. They are neither. The seller is free to accept or reject them. They may be hostile, though, to the sellers' agent who may lose his tenure if the seller accepts the bid. He can protect himself against this risk in two ways. One is by populist appeals to public opinion, legislative and regulatory manoeuvres, 'poison pills' and the like. The other is by brilliant managerial performance that gets so close to the ideal of long-run profit maximisation that no one thinks he can make much better use of the assets by wresting control of them from the sitting directors.

The branch of theory dealing with the value of corporate control was grafted onto the theory of the firm by Henry Manne1. It would be impertinent to try and give a capsule summary of his short seminal article here. Suffice it to say that the control premium offered by a bidder will lie in a gap, if any, between the company's market capitalisation under its sitting management and the present value of all future earnings the bidder expects the corporate assets to yield under the best management he can appoint. The bigger the gap, the bigger must the agency problem be. Equally, however, the bigger the gap, the stronger is the incentive potential bidders have to try and buy the corporate control. If potential bidders are not deterred by regulatory twists, poison pills and appeals to patriotism or good manners, the sitting management must strain to 'increase shareholder value' (as the current jargon has it) by better performance as well as by inspired rumours of impending bids so as to reduce the remaining gap between the current value of the company and its expected value to a rival, i.e. the control premium the rival would be willing to pay. Discouraging bids is to encourage sloth and inefficiency. Until this is better understood, agents will ride high on the backs of principals.

Paulo Portas

Paulo Portas estreia hoje o seu programa quinzenal na SIC Notícias com o nome de O Estado da Arte. Ao DN, o deputado do PP, diz que será um programa "cosmopolita" e "cool".
Em entrevista à RR, fala sobre Sócrates e sobre o que pretende do programa:

Para além do talento, Portas destaca o facto de Sócrates ter sido eleito sem ter passado pelas "privações" da oposição, por ter contado com um Presidente da República em fim de mandato e por ter tido uma complacência dos meios de comunicação".
(...)o comentador explica que volta à televisão para fazer o contraponto à "cultura de esquerda" que está instalada até porque o país "é menos à esquerda do que o país intelectual ou do que as pessoas que entram no debate político"

Government defeated on compulsory ID cards

The House of Lords has inflicted another defeat on the Government by again voting against the introduction of compulsory identity cards.
[fonte: Daily Telegraph]

O Rapto da Europa